Essa semana tive o prazer de dividir espaço com a @mslemos (Marisa Lemos) na semana de comunicação da Estácio em Niterói por indicação da @Uhuh (Graça Taguti).

Pediram que eu falasse sobre superexposição e que a Marisa desenvolvesse o tema explorado no artigo Marketing Digital não é para Ignorantes. A apresentação da Marisa está no Slideshare (essencial para profissionais de marketing, comunicação e para empresas).

Bem, feita essa introdução necessária para contextualizar…

Por falar em contexto… Estou entre as pessoas que consideram que estamos vivendo uma transição de eras que nos obriga a tentar entender o nosso tempo recorrendo a uma visão histórica (bem colocada pelo Nepô), evolutiva (genética e memética) e antropológica.

O fenônemo da superexposição na minha opinião deve ser visto assim. Em vez de olhar só para o aqui e agora e achar que isso tudo é um problema da sociedade moderna e da Internet a gente precisa tentar ver de onde vem tudo isso.

Foi esse o rumo que eu peguei na minha apresentação… Bem, é o rumo que eu pego sempre que falo dessas coisas.

  • De onde veio toda essa história de se expor?
  • Porque as pessoas se expõe?
  • Porque as pessoas expõe as outras?
  • Porque gostamos tanto de ver as pessoas se expondo?

Se a gente olhar a humanidade de cima com as lentes que comentei mais acima dá para chegar a umas três origens para tudo isso:

  • Quem aparece tem vantagens na luta pela sobrevivência
  • Existe uma satisfação psicológica em ver suas ideias repetidas
  • Expor os outros dá uma certa sensação de poder
  • Ver os outros se expondo nos faz sentir menos mal com as coisas que temos vergonha de expor

Quer dizer, a humanidade é o que é, construiu uma civilização, valoriza a idividualidade etc. justamente porque gosta de se expor. Aliás, a gente precisa se expor! É metade do que a gente é…

O nome desse blog vem a ideia que a gente é:

  • Animal: fruto da evolução genética daquelas complexas e maravilhosas cadeias de corbono, os genes
  • Consciência: resultado dessa incrível tendência que as ideias tem de evoluir como se fossem genes

Do ponto de vista do instinto ou da evolução genética não tem muita vantagem em se expor, isso é coisa da nossa consciência ou da tal evolução memética.

Da mesma forma que a gente precisa reproduzir e as mulheres acabam escolhendo instintivamente os parceiros mais crápulas porque em uma disputa física eles tem mais chance de vencer porque tem menos escrúpulos… Aliás quando o namoro ou casamento acaba você vê que ele não tinha nenhum escrúpulo (eita palavra feia).

Bem, da mesma forma que os genes criaram instintos que nos fazem fazer de tudo para que eles possam continuar se reproduzindo a nossa consciência fica cada dia melhor em nos “obrigar” a fazer o que é necessário para que os memes (ou hábitos, ou cultura, ou ideias) possam evoluir, ou seja:

  • Transmitir sua hereditariedade
  • Se transformar
  • Competir com outras ideias para vencer a mais apta (que não é necessariamente a mais bela)

A gente fica chocado com a exposição justamente porque nem sempre são as ideias mais belas que se reproduzem com mais eficiência.

Tem muita perversidade na viralização dos memes, afinal lá mesmo na Estácio o vídeo mais pedido (veja na apresentação mesclada mais abaixo) foi o da @AretuzaZanoni vomitando na montanha russa…

Talvez isso aconteça porque somos seres movidos mais por instintos genéticos que nos programam para prestar atenção no que é bizarro pois ali pode haver um risco para a nossa saúde.

Talvez a nossa evolução tenha a ver ir deixando de ser influenciados pelos instintos físicos passando a ser cada vez mais influenciados pelos instintos “informacionais” ou meméticos apesar de “instinto” não se aplicar muito bem aqui…

Então o que estou dizendo é que não dá para impedir a superexposição?

É isso mesmo que estou dizendo

Estou dizendo também que somos vítimas fáceis para quem sabe usar nossos instintos genéticos e meméticos.

Por outro lado também estou dizendo que isso é parte do nosso processo evolutivo e, apesar da gente sofrer muito individualmente esse é o caminho para a humanidade ser melhor no futuro.

A razão do meu otimismo a respeito de para onde estamos indo não cabe em um post, ainda vou conseguir resumí-la 🙂

Isso tudo não quer dizer que devemos nos render a esses instintos.

Talvez já esteja na hora da humanidade assumir o controle da sua evolução… Quer dizer, talvez já esteja na hora de você e eu fazermos isso individualmente procurando controlar o que vamos expor e a que vamos nos expor.

Infelizmente não dá para controlar o que os outros vão expor de nós… Estou com o dedo coçando para colocar no meu Facebook as fotos que tirei do pessoal na platéia 🙂

Essa ai em baixo é a apresentação que fiz para o evento (e não mostrei pq fiz no Google Docs e não baixei para o computador):