Monero é a criptomoeda mais anônima no momento. Ela esconde quem está enviando, o valor enviado, quem está recebendo e a localização dos envolvidos (escondendo o IP).

O vídeo contém informações de nível técnico médio sobre o funcionamento do Monero.

É interessante destacar:

  1. Não são apenas criminosos que tem interesse em manter anonimato em transações financeiras. Atualmente, quando fazemos uma compra, as instituições envolvidas (a loja onde compramos, nosso banco, nossa operadora de cartão) reúnem informações sobre nós que permitem nos conhecer tão bem que geram aquelas propagandas que nos fazem pensar que o Google está ouvindo o que falamos perto do celular. E esse não é o maior problema. Conforme a economia e o capitalismo se tornam mais digitais essas informações se transformam em propriedades cada vez mais valiosas e que, se pertencerem a nós mesmos, podem reduzir ou até, em um quadro utópico, resolver o velho problema que ouvimos ser repetido sempre: se o serviço é grátis (como o Facebook), então o produto somos nós. Criptomoedas não rastreáveis permitem que nós decidamos a quem daremos nossas informações ou não;
    1. Bitcoin não é anônimo. Isso é apenas um assunto tangencial no vídeo, mas merece ser destacado pois ainda vejo muita gente com medo do bitcoin por ser moeda para bandidos e, como o vídeo mostra muito bem, bitcoin é muito mais rastreável do que qualquer moeda tradicional como reais ou dólares.