A história resumida…

Ontem o time brasileiro de futebol ganhou de virada um campeonato de futebol contra os Estados Unidos.

Ashton Kutcher, ator e marido da Demi Moore festejava no Twitter cada gol do seu time (EUA, claro).

Quando houve a virada uma vasta onda de brasileiros alagou o ator com a tag #chupa que vem sendo usada como sinônimo de “toma” ou um tipo de “agora engole essa”.

O bom humor da ação e do ator garantiram a propagação da palavra chave e sua colocação em primeiro lugar na lista de palavras mais usadas no Twitter por algum tempo.

Animadas com isso e mal conformadas em ver que o Irã e Moldávia se mobilizam politicamente pelo twitter enquanto nós parecemos nos limitar a brincar, várias pessoas iniciaram uma campanha para colocar a palavra chave #forasarney na mesma lista.

Hoje perto da meia noite isso aconteceu. É uma das primeiras vezes que nos destacamos politicamente no Twitter e talvez até online.

Mas…

Porque fora Sarney?

A maioria não sabe e repete simplesmente porque é o que todos, embalados por @rafinhabastos, estão repetindo desde o dia 16/07/2009 e pensam que é pelas recentes denúncias envolvendo o senador José Sarney, mas há razões mais antigas para a escolha deste político para um dos primeiros gritos por um governo limpo.

O primeiro movimento “Fora Sarney” foi em 2006 quando ele utilizou a justiça para tirar do ar o blog da jornalista Alcineia que o criticava. A propósito, agora Alcinea Cavalcante mantém seu blog no Blogger.

Desde então o atual senador faz parte do imaginário do Internauta cidadão como um símbolo do cerceamento da liberdade de expressão.

Vários cidadãos mais atentos tem observado como o @inagaki que

essa “mobilização” está para o exercício da cidadania na mesma proporção dos álbuns de Vanilla Ice para o hip hop.”

Eles provavelmente estão certos pois os fatos acima devem ser desconhecidos (ou esquecidos) pela maioria, entretanto não creio que seja um movimento vazio e por isso até me uni a ele e agora escrevo esse post (mais uma vez correndo o risco de algum político achar que não tenho direito a dar essas opiniões…) para contextualizar e sugerir que o #forasarney não seja meramente uma ferramenta de repetição acéfala e sim um primeiro passo para o #governolimpo.

No estágio atual é bem provável que estejamos mais para a massa de zumbis que entoava o mantra Imhotep-Imhotep no filme A Múmia[bb] do que para a sociedade engajada que levanta sua voz clamando por democracia.

Soma-se a isso a interferência de celebridades bacalhau (sub-celebridades) que tentam esmolar um pouco de evidência sequestrando a idéia que não é deles, mas isso é assunto para outra ocasião.

Corremos o risco de ser massa de manobra de interesses políticos contrários a José Sarney que não serão necessariamente mais confiáveis.

Em todo caso, mesmo que seja irrelevante o fato de colocarmos uma palavra chave na lista de tópicos atuais do Twitter, faço questão de não concordar que a mobilização seja irrelevante!

O importante é a direção que está sendo tomada.

Amanhã saberemos que não adianta gastar 38 segundos para enviar um post com vários #forasarney para o Twitter e faremos o que estou fazendo: indicaremos um artigo em jornal ou blog, acrescentaremos alguma opinião ou sugestão pessoal.

Assim, a pequenos passos, a massa se movimenta até que ganha momentum e passa a acelerar cada vez mais.

Pin It on Pinterest

Share This

Compartilhe!

Mande para suas redes sociais