– Mas você sabe que a empresa não acredita nisso de verdade, né?

Esse vídeo é parte do marketing social do Bradesco e certamente a frase acima é o que mais ouço quando falo nesse tipo de ação corporativa.

Claro que seria ótimo que as empresas realmente modificassem sua estrutura e atividades de acordo com o marketing que fazem, no entanto exageramos ao considerar que “não adianta nada fazer marketing social se não é verdade”.

Em uma sociedade perfeitamente atenta e politizada o marketing social hipócrita seria inútil para a empresa que paga por ele. Um bom exemplo está no Unilever que, mais ou menos na mesma época da campanha “Beleza Natural” no ocidente fazia propaganda de branqueamento de pele no Índia.

No entanto não saltamos do mundo “defeituoso” para o mundo ideal sem passar por etapas.

O marketing social beneficia a sociedade, empodera quem nunca teve voz, ajuda a criar uma nova geração que, em uma fase posterior, pode mudar a estrutura das empresas.

Ainda estamos longe disso pois estamos longe de ter mulheres e negros em cargos que definem os rumos e estruturas das corporações…

A propósito, também estamos longe de ter pessoas com formação básica de pensamento lógico, científico e tecnológico nessas posições. No entanto estamos a caminho!

A peça de marketing está linda! De trazer lágrimas. Merece ser replicada.