De acordo com a pesquisa recente publicada na revista Exame de 20/10/2010 a classe média brasileira já representa mais de metade da população e, pelos resultados da pesquisa talvez já possamos chamá-la de classe mídia.

Frequência do acesso da classe C:

  • 71% acessam diariamente
  • 22% acessam uma vez por semana
  • 5% acessam uma vez por mês

Mais interessante ainda é constatar que, conforme a pesquisa, 45% das pessoas das classes D e E acessam a Internet diariamente.

A pesquisa indica ainda que pesquisa, email, interação social e educação estão entre as principais atividades online da classe C.

Por interação social entenda-se os subestimados Orkut e Messenger. É a interação social que permite a criação de uma voz unificada e de movimentos sociais. Aliás, é curioso observar a contradição das afirmações de que a Internet afasta pessoas e que o povo só quer saber de Orkut.

Para quem, como eu, entende que o fenômeno informacional capitaneado pela Internet é uma imposição evolutiva da nossa consciência, esses dados reforçam a suposição de que veremos toda a humanidade se conectar.

É claro que a qualidade da conexão e da atuação dessa população online ainda tem bastante que melhorar, mas talvez esteja bem além das nossas espectativas.

O preconceito cultural leva as classes mais altas a ridicularizar as manifestações (fotos, vídeos e o mau português) dos habitantes emergentes da Rede, mas por trás da chamada “maldita inclusão digital” muitas vezes vemos os reflexos e construção de uma identidade cultural.

A propósito… Há tempos os jovens das classes A/B frequentam em grande número as festas funk das comunidades das grandes cidades e os programas “de baixo nível” tão criticados como programas para o povo frequentam as mesas de bar das classes mais abastadas: Não é de hoje que há uma aproximação entre as culturas, ainda incompleta e difícil de identificar dadas as brutais diferenças de cenário (tijolos expostos X chão de tábua corrida), mas ela existe.

Resta saber quando essa aproximação começará a dissolver os preconceitos entre as camadas da nossa sociedade.

Pin It on Pinterest

Share This

Compartilhe!

Mande para suas redes sociais