Fonte: miniatura do vídeo no Youtube

Entre 1694 e 1985 o Brasil viveu uma ditadura que se iniciou tirando os direitos dos cidadãos (artigo bem completo no Observatório da Imprensa) e continuou proibindo centenas de filmes, livros, peças e artistas como Chico Buarque de Holando (o mais censurado) e Geraldo Vandré (autor do mais claro hino contra a ditadura), mas também Kid Abelha. Kid Abelha…

O vídeo mais abaixo é de uma apresentação da música Cálice, recém composta, cantarolada porque sua letra estava proibida. Chico Buarque e Caetano seguem até que o som é cortado.

Quem tem 50 anos hoje era muito jovem para sentir na pele o que é viver em um regime que retira direitos, extermina cultura e liberdade. Os que sabem foram aprendendo depois, viveram em um ambiente mais esclarecido ou caíram em si mais tarde.

Eu mesmo “caí em mim” já adulto lembrando de diversos momentos em que as pessoas tiveram medo de mim, ainda pré-adolescente, porque meu pai era militar… E sequer era um militar de posto alto. O medo e a submissão é um manto negro permanente com quem está à margem de governos totalitaristas. E quase todos os cidadãos ficam à margem. Sejam policiais, gerentes de bancos, médicos, empresários médios…

O apagamento dos horrores da ditadura pelo tempo são um problema sério que precisamos resolver para entrar no século XXI… E em alguns aspectos ainda estamos ancorados no século XIX, aquele em que reis andavam com frangos rançosos nos bolsos dos seus mantos, sem luz em um mundo assombrado por demônios.