imagem: tumbnail do vídeo

Vou discordar… Em parte.

De acordo com o especialista os estudos indicam que os vieses políticos se distinguem de acordo com a manifestação desses princípios:

  • Compaixão – Esquerda
  • Injustiça – esquerda
  • Pertencimento – identidade / tribalismo – direita
  • Ordem / autoridade – direita
  • Virtude / Pureza – direita

O primeiro problema que vejo nisso é que, pelo menos do jeito que está colocado, parece que temos pessoas naturalmente mais compassivas e que portanto tenderão à esquerda e pessoas más, que não tem compaixão, que tenderiam para a direita.

Além de ser uma visão negativa, simplesmente não vejo como correta. Todos nós temos mais ou menos empatia em diferentes momentos e em torno de diferentes objetos. Como a pessoa que tem história de violência em sua família e não sentirá empatia pelo perfil que causou essa violência.

O segundo problema é que essas não são, na minha opinião, as unidades mínimas meméticas e sim desdobramentos de duas, como tenho dito há pouco tempo: audácia e cautela.

A pessoa cautelosa tenderá a ter menos empatia (compaixão), se preocupar menos com uma injustiça, dará mais valor ao pertencimento (sua tribo acima das outras), buscará mais ordem e menos da flexibilidade que permite que as coisas mudem e desconfiará mais do que não parece puro, que não se encaixa em sua moral.

Semelhante ao que acontece com a pessoa audaciosa, que deseja mudanças.

E o maior problema da visão apresentada é não nos ajudar a resolver a polarização e não funcionar na era fluida em que estamos entrando.

Sem isso o vídeo só nos ajuda a nos conformar com a polarização sem perceber que ela acontece quando estamos tendendo aos extremos dos nossos vieses e não vemos a necessidade de equilibrar nossa audácia com cautela e de libertar um pouco da nossa cautela buscando a audácia.

Share This

Compartilhe!

Mande para suas redes sociais