Coloquei “(também na esquerda)” no título deste post porque é o que tenho a acrescentar ao tema: se observarmos os 10 pilares do fascismo listados pelo Meteoro Brasil conforme listados no livro Como Funciona o Fascismo, de Jason Stanley, veremos que muitos estão presentes também nas pessoas que se colocam à esquerda e que, a princípio, seriam importantes aliadas para superarmos mais essa onda de fascismo.

CALMA! NÃO ME CANCELE AINDA!

Em primeiro lugar eu nunca sugeriria que o fascismo é da natureza da esquerda, afinal de fato a direita é mais vulnerável a ele por motivos óbvios quando o estudamos.

Em segundo lugar há mais de 15 anos eu alerto para o crescimento do fascismo de direita justamente em torno do Olavo de Carvalho (em diversos posts no meu blog mais antigo, o Galeria de Espelhos) e, se estou apontando o dedo para a esquerda é com o intuito de alertar.

Este post é da categoria “gotas” onde compartilho conteúdo online com breves comentários, então terei que fazer um post maior o quanto antes pois ainda não fui a fundo nesse tema aqui, entretanto tenho que explicar pelo menos o essencial desse alerta.

Comece daqui: quando vivemos uma sociedade machista as mulheres também acabam sendo machistas, quando vivemos uma sociedade racista os alvos do racismo também se tornam racistas.

Quando vivemos um período de avanço do fascismo todos nós, mesmo os anti-fascistas, temos que buscar e dissolver o fascismo em nós mesmos.

A crescente onda de “cancelamento” entre a esquerda é um pilar fascista, é o obturação do diálogo.

Já escrevi sobre os pilares do fascismo de acordo com Umberto Eco e logo escreverei sobre essa visão mais moderna que me parece excelente, mas por ora vou apenas listá-los aqui com dois objetivos, ou melhor, três:

  1. Precisamos conhecer os pilares sobre os quais se apoiam o ataque à civilização (fascismo é anti-civilizatório);
  2. Temos que buscar em nós mesmos sinais de reflexos desses pilares;
  3. Conhecendo-os podemos ajudar melhor quem foi seduzido por eles e, sim, o fascista ao lado, quase sempre, não é seu inimigo, mas alguém que precisa da sua empatia e apoio (sei que esse é difícil, principalmente por causa de um dos pilares que contamina todos nós, inclusive a mim).

Seguem:

  1. Passado mítico: O fascista quer retornar a um passado idealizado que nunca existiu de fato;
  2. Propaganda: Pesado investimento em propagandas e não em ações e efeito espelho ao apontar nos inimigos características próprias;
  3. Anti-Intelectualismo: Desmonte da cultura, educação, mídia.Qq coisa que estimule o livre pensamento;
  4. Irrealidade: O fascismo usa de mentiras e boatos. Sempre que repassamos alguma coisa que não é real estamos alimentando em nós um pilar do fascismo, estamos nos tornando mais vulneráveis a ele;
  5. Hierarquia: Estabelece-se um grupo dominante como brancos sobre negros, homens sobre mulheres, mas também o contrário. Toda vez que discriminamos alguém por suas características estamos vulneráveis ao fascismo;
  6. Vitimização: Quando a desigualdade diminui, quando um grupo discriminado é empoderado o fascista se sente ameaçado;
  7. Lei & Ordem: Qualquer um fora do grupo merece ser punido por não pertencer ao grupo. É mais um pilar fortemente presente também nas pessoas no espectro progressista;
  8. Tensão sexual: LGBTfobia, por exemplo, mas também é considerar que a moral diferente da nossa é perversa, é imoral;
  9. Sodoma e Gomorra: Os valores do campo são “do bem”. Tem muito a ver com a rejeição da diversidade que é inevitável em grandes centros urbanos;
  10. Arbeit Macht Frei, ou O Trabalho te Libertará, ou ainda Acabou a Mamata: Os grupos inimigos são considerados preguiçosos, privilegiados. Também ocorre na esquerda, muito embora ao se opor a privilégios reais, no entanto considera-se que os privilegiados são inimigos irreconciliáveis.
Share This

Compartilhe!

Mande para suas redes sociais