Imagem: Não achei a fonte, alguém sabe?

Calma! EU DISSE CALMA!

Estou ciente que é um tipo de heresia comparar as palavras do Trump aos ventos que insuflaram o fenômeno occupy, mas preste atenção ao vídeo.

Durante 2015 falei várias vezes que a mobilização das pessoas de viés de “direita” (sempre entre aspas porque vejo como uma metáfora, um rótulo, de fácil associação para a maioria) era um caminho na direção dos mesmos princípios que insuflaram os de “esquerda” (idem) desde o início do século. Princípios que tenho chamado de fenômeno Occupy para facilitar a identificação dos fatores em comum.

Esse discurso do Trump é extremamente #Occupy.

Claro que podemos ver demagogia e falácias além dele ser incômodo para quem tem um viés mais sintonizado com humanismo, ciência e restauração do ecossistema planetário, mas os elementos estão lá:

  • Os políticos não nos representam
  • A política tem servido a interesses econômicos dos “1%” ou de grandes corporações
  • Quem paga as contas é sempre a população que vê seus salários e empregos se esvaírem
  • A mídia prevarica com os outros poderes e “manipula” a opinião pública

Ou seja os dois vieses, “direita” e “esquerda” estão sendo seduzidos pela ideia da inversão da pirâmide do poder.

As pessoas com viés mais conservador despertam mais tarde para esse tipo de mobilização pois é natural da abordagem conservadora ou reacionária tentar manter a inércia.

No entanto vemos os dois lados da dita polarização circulando em torno de conceitos muito similares.

Temos nesse momento três grupos:

  • Uma pequena parte da sociedade polarizada para a “esquerda”
  • Uma pequena parte da sociedade polarizada para a “direita”
  • Todo o resto flutuando entre os dois polos.

Em algum momento o terceiro grupo se definirá por uma abordagem moderada, pelo “caminho do meio” do budismo. Seja pelo cansaço das polarizações, seja por perceber as semelhanças.

Resta saber como a estrutura antiga de poder tentará se manter.

 

 

Pin It on Pinterest

Share This

Compartilhe!

Mande para suas redes sociais