Há diversas barreiras para falarmos da mudança do clima.

  • Nossa mente não evoluiu para perceber naturalmente fenômenos da escala do clima global então temos dificuldade em entender o problema levando alguns ao desespero e outros à descrença (Já fizeram um vídeo sobre Why People Don’t Believe in Climate Change).
  • A deficiência do ensino de ciência e pensamento científico no planeta nos priva das ferramentas para entender não só o clima, mas o próprio mundo científico e tecnológico em que vivemos.
  • Como a mídia e a classe política também sofrem das limitações acima, mesmo as pessoas que estão cientes se sentem impotentes: “Ok, sei que pode ser o maior problema jamais enfrentado pela humanidade, mas sou impotente”. Essa sensação nos perturba e nos leva a ignorar o problema.
  • Seis das dez maiores empresas do planeta em faturamento e em lucro estão diretamente ligadas à exploração de petróleo. É de se esperar que elas usem sua influência para se manter assim a menos que sejam obrigadas pela sociedade através dos seus representantes a mudar a natureza dos seus negócios.

De todas as barreiras a pior é a nossa sensação de impotência pois ela é menos real. Ela é a barreira que podemos usar primeiro para tentar reverter o quadro que temos diante de nós.

Ah! Sim, há outra barreira muito importante:

A falta de investimento no estudo do funcionamento de Gaia, sistema ecológico e climático do planeta, nos mantém relativamente cegos abrindo espaço para declarações como “Mas pode não ser tão ruim”.

O que podemos fazer?

Não se subestime. Conhecimento é poder e capacidade de comunicação é munição para usar o poder que temos.

Entendo que, para entender plenamente a vida e o clima, temos que saber usar o pensamento científico (raramente ensinado em escolas) e ter uma boa formação de base em física, química e biologia, mas não se intimide! Temos a sorte de viver na era da Internet e há dezenas, provavelmente centenas de bons canais de vídeo no Youtube sobre ciência que se dedicam a leigos.

Aqui mantenho uma lista dos meus canais preferidos: Canais de Ciência e Conhecimento no Youtube.

Você também pode assistir a série Cosmos apresentada por Neil DeGrasse Tyson.

Uma visita à minha lista de documentários no Youtube também pode ser bem interesante.

Em 2009 escrevi um artigo com um título um pouco apelativo e com o qual já nem posso mais concordar plenamente, mas creio que pode ajudar a entender o sistema da vida em nosso planeta: Ecologia XXI: esqueça a natureza, preserve os humanos.

Sugiro também que você leia boas revistas de ciência. É fácil porque só conheço duas: Scientific American e Mente & Cérebro (da mesma editora).

Quanto mais conhecemos, mais seguros nos tornamos. Menos somos vulneráveis ao medo e melhor poderemos transmitir isso aos nossos amigos.

É isso que podemos fazer individualmente: nos tornarmos vozes de bom senso. Nem ignorando o problema e nem alardeando o fim do mundo.

“Não entendo nada! Me explica”

Tenho que voltar a dizer para não se subestimar, certo? Tenho certeza que você é capaz de entender tudo! Procure bons artigos

Mas vou explicar sem papo de cientista, tá bom?

A Terra e a vida funcionam assim: as radiações que vem do espaço, os movimentos da Terra (terremotos, vulcões) e a vida não seguem um plano para fazer desse um planeta verde e bonito.

A vida já quase desapareceu 5 vezes.

Teve o meteoro que caiu aqui há 65 milhões de anos e, pelo jeito, teve até uma extinção que aconteceu porque tinha oxigênio demais na atmosfera! Oxigênio esse que foi produzido pela própria vida da época.

Enfim, a história da vida no planeta é muito frágil. Sem nada que cuide dela de vez em quando grande parte do que está vivo acaba morrendo.

Não é que o sistema falhe, é que ele muda e deixa de ser bom para as coisas que estão vivas e acaba sendo suportável só para uma pequena parte dos bichos, plantas, fungos, bactérias, virus…

O que está acontecendo agora?

Nesse momento nós estamos tirando uma quantidade enorme de petróleo de baixo da terra. Esse petróleo é como se fosse a atmosfera de muitos e muitos milhões de anos atrás transformada em óleo.

Quando processamos o petróleo jogamos o tal gás CO2 no ar dando um “reset” na atmosfera, é como restaurar um backup climático fazendo o planeta voltar para uma época em que muitas das formas de vida atuais não existiam.

Com isso as “vidas”  de hoje estão sumindo… Mais abaixo tem um vídeo sobre a sexta extinção em massa, tá?

Nesse momento (em 2014) a gente atingiu uma concentração de gás CO2 que aumenta a acidez dos oceanos, causa secas, chuvas, furacões e nevascas muito mais frequentes e intensos.

Nós temos computadores muito poderosos que nos permitem simular o clima no planeta para cada quantidade de CO2 presente no ar e as simulações batem muito bem com o que acontece de fato.

A situação é muito séria, principalmente porque nossos governos e empresas (as mais poderosas delas ganham dinheiro explorando petróleo como já comentei) junto com a mídia não estão dando a devida importância ao problema e empurram com a barriga.

É por isso que temos que parar de usar o petróleo agora. Tipo imediatamente… Já devíamos ter parado há uns 30 anos…

Mas calma! Nossa ciência tem avançado mais rápido que nunca e tem várias pesquisas por aí (vou acrescentar aqui depois) que podem nos permitir reverter o que fizemos.

Ah! O desmatamento é a segunda maior causa do Aquecimento Global porque as árvores tiram do ar 60% do CO2 que jogamos nele. Além disso elas produzem humidade e regulam o clima.

Esse é outro problema bem complexo, mas resumindo é o seguinte: não adianta derrubar um tipo de árvore e plantar outro no lugar, não adianta nem plantar o mesmo tipo de árvore porque o ecossistema é todo interligado.

Quando a gente começa a matar árvores os bichos que vivem delas (como abelhas e pequenos mamíferos) morrem e são eles que as ajudam a se reproduzir.

Enfim: ecossistemas devem ser preservados.

Uso das reservas de petróleo

Veja o vídeo todo, mas acho que esse é o ponto principal:

Em palavras

nós não podemos usar nem mesmo o petróleo que já está liberado para uso pela indústria, muito menos as reservas ainda não negociadas.

Sexta Extinção em Massa

Nos últimos 3,5 bilhões de anos desde que a vida pintou por aqui o planeta já assistiu 5 grandes extinções. Em cada uma delas tanto o clima quanto os tipos de vida mudaram muito. Na última os senhores do planeta, que eram os dinossauros, desapareceram ou viraram galinhas dando espaço para os mamíferos que, depois de 65 milhões de anos, deram origem a nós, humanos.

O que acontecerá depois da sexta extinção em massa? O vídeo abaixo está em inglês, mas são só 9 minutos e é um bom ponto de partida.

Nosso papel na extinção de espécies

Vejo muita gente achar que a vida no planeta tem algum tipo de super poder, que só nós, humanos, vamos sumir e os gatinhos, coelhinhos, as belas árvores e tudo mais ficarão por aí, que a natureza vai nos jogar fora e tudo ficará bem.

Em primeiro lugar não é nada legal que bilhões de pessoas inocentes, a maioria delas realmente boas em arte, ciência, em ajudar os outros, em cantar e tantas outras coisas como cuidar de animais e da natureza sejam extintas.

Acontece que nós seremos justamente as últimas formas de vida fofinhas a sumir (sempre ficam as baratas – brincadeira, elas podem sumir também – e micro-organimos – esses ficam MESMO) ou até podemos ser capazes de sobreviver, só um punhado de privilegiados malvados em ecossistemas fechados enquanto os humanos legais ficarão do lado de fora para morrer junto com o resto da vida na Terra.

Ok, estou pintando o pior dos quadros, mas é para acabar com essa visão romântica de que a vida como conhecemos hoje pode se cuidar sozinha. Não pode!

É aí que entra o último grupo de pessoas que eu citei lá em cima quando falei de quem não merecia morrer: a galera que cuida de bichinhos e plantinhas.

A vida fofa do planeta um dia desapareceria de qualquer jeito.

Claro que é nojento, horrível, vergonhoso que ela esteja indo nessa direção por nossa culpa, mas, preste muita atenção!

Tá prestando muita atenção?

Nós somos a única coisa que a Terra produziu capaz de manter as formas de vida atuais!

Por isso é tão importante que a gente se conscientize que somos nós que estamos colocando tudo em risco, que a gente tenha o tipo de vergonha que nos faz buscar reparação, remissão.

A pressão pode nos fazer correr contra o tempo e aprender a deixar de ser uma força destrutiva para, finalmente, sermos uma força de equilíbrio no planeta.

Já fazemos isso há milhares de anos! Vou dar exemplos!

O Abacate precisava da Preguiça Gigante para engolir suas sementes enormes e levá-las para outras regiões, mas essa espécie de preguiça se extinguiu há 10 mil anos. Sabe o que manteve o abacate vivo? Nós mesmos!

Não haveria vacas, cachorros, gatos caseiros, milho, arroz e um monte de outras coisas se nós não os tivéssemos criados através de cruzamentos seletivos.

Isso quer dizer que nós somos capazes de ser agentes da vida. Já fazemos isso há milhares de anos. Só falta percebermos que temos que ser agentes de toda a vida.

Um vídeo e MUITAS referências

Veja a descrição do vídeo, ok? Tem uma lista enorme de artigos de apoio que te permitirão se aprofundar.

Imagem ilustrativa: Futuro Sustenible

Share This

Compartilhe!

Mande para suas redes sociais