No post de um amigo citaram um vídeo do Lula em que ele fala que seria necessário 30% da sociedade socialista para ele conseguir se eleger e que tinham pavor do socialismo porque o roubo nos desrespeitaria mais do que o preconceito.

Vídeo mais completo, o do post era cortado

Bem… Essa dicotomia não está correta: socialismo corrupto X preconceito incômodo.

O que estamos vendo claramente no Brasil é uma disputa entre o discurso democrático e o marketing fascista.

O comentário que deixei lá é longo demais para ficar perdido no FB, então replico aqui (e irá para o blog e para o Telegram tb)

Escrevi um post que pode ajudar: O Meteoro e as Eleições 2018
Ele ficou um pouco complexo e longo, então vou experimentar aqui uma outra abordagem pq lendo os comentários do Izidro lembrei de um ponto sobre o medo que não abordei bem no artigo (nele digo que estamos divididos entre dois medos de coisas que dificilmente vão acontecer, a ditadura comunista e a ditadura facista – não vejo como enquadrar o Bolsonaro na direita por vários motivos que merecem até um post – )
Vamos partir do vídeo em que o Lula fala em 30% da população ser socialista para que o socialismo possa ser eleito.

Isso realmente aconteceu e podemos considerar as intenções de votos no Haddad como um bom indicativo disso.

Não podemos considerar os 30% do Bolsonaro como indicação que esse é o percentual de fascistas no Brasil apesar da propaganda dele ser fascista (vide artigo de O Globo: http://bit.ly/2E0jQbA) porque certamente um percentual muito grande vota nele por medo do socialismo do PT.

No entanto que socialismo é esse?

Quando vemos no dicionário ou na história do socialismo vemos um regime totalitário que elimina classes e propriedade.

Todavia o que vemos no PT é o chamado Socialismo Democrático (O artigo da Wikipedia não está 100%, mas dá uma boa visão do Socialismo Democrático) em que se coloca acima de tudo o processo democrático, que é, aliás, o ponto que Lula está defendendo no vídeo.

O PT é democrático porque quer, porque ama a democracia? Difícil dizer, mas podemos ver muito claramente pelos fatos que ele não tem alternativa, que a estrutura de poder estabelecida não lhe dá outra alternativa (sugiro a leitura de Número Zero do Umberto Eco para uma visão interessante sobre a longevidade de poderes totalitaristas como o que esteve no Brasil antes da atual fase democrática).

O que deve nos assustar mais, o socialismo democrático sem poder para instituir um totalitarismo mesmo que quisesse (o que já ficou claro nos 13 anos em que governou com bem mais de 30% da sociedade simpática ao socialismo democrático) ou o marketing político fascista?

Não há dúvidas que o fascismo… Ah, sim, Bolsonaro não é representante de um grupo preconceituoso, é necessário dar o nome correto às coisas. Bolsonaro utiliza o marketing fascista, o que não quer dizer que quem vota nele seja fascista.

O fascismo é um vírus cognitivo a que todos somos vulneráveis. Os alemães entendem muito bem disso e aqui podemos indicar o filme A Onda para refletir melhor sobre essa nossa vulnerabilidade, assim como o experimento de aprisionamento de Stanford sobre o poder de um sistema autoritário sobre nós.

Enfim, não há dúvidas que o fascismo é pior que a corrupção porque, em essência, ele é ainda mais corrupto e constrói um sistema de crenças para justificar a corrupção descaracterizando-a como se fosse uma questão de ordem natural de superiores x inferiores.

O comunismo e o socialismo não são bons sistemas, o capitalismo também não é muito bom, mas é inescapável.

Entretanto todos os sistemas estão em transformação e vemos hoje capitalismos “de esquerda” e socialismos “de direita”.

O que não veremos jamais é um fascismo democrático, um fascismo que evolui e se transforma pois ele nos manipula em nossos medos mais básicos nos agrilhoando dando vantagens apenas a um grupo, aquele que tem poder para ligar para os políticos em exercício e lhes dar ordens. Quem não está nessa posição só tem a perder com o fascismo.

Eu, no Facebook

Pin It on Pinterest

Share This

Compartilhe!

Mande para suas redes sociais