O título é forte, eu sei, mas o assunto é muito sério e exige urgência, exige recorrer à força de símbolos universais que traduzam em poucas palavras o desafio que temos à nossa frente.

É necessário dizer que sou ateu e não creio de fato em anticristos, mas eles são uma representação adequada para a ganância obtusa e egoísta que quer contaminar tudo que há de belo ou puro para conquistar o poder que preencha seus vazios.

Mas não vamos, agora, ser complacentes com o ataque que começa a ser articulado contra as crianças com uma extensão que não lembro de ter visto na Era Moderna ou mesmo antes dela, já que crianças não contavam. Somente nos últimos 100 anos elas foram se tornando foco da indústria de consumo e marketing e, mais recentemente, da participação política.

Este post parte da articulação de seitas cristãs para assumir o controle dos conselhos tutelares no Brasil. Links para artigos extensos no fim do post. Aqui vou circundar o assunto indo para o passado e para o futuro.

O ponto crítico se você vier a ler este post até o dia 6 de outubro de 2019: Vote nesse domingo para impedir o sequestro dos conselhos tutelares. É na mesma zona onde você vota. Procure candidatos que não vão favorecer uma religião sobre as outras.

Dito isso…

Por que digo que se trata do anticristo contra as crianças?

Como você verá se ler os artigos no final do post, a estratégia sendo traçada e obter maioria nos conselhos tutelares para poder impor o poder de uma religião sobre a sociedade, de uma ideologia de gênero cruel com as crianças (a de que meninas devem ser submissas e meninos insensíveis, entre outras) a fim de estabelecer desde cedo uma vantagem de poder sobre a sociedade, criar um estado que não segue a razão, mas os desígnios de líderes religiosos que se investem de poder divino, que se colocam como representantes das palavras de Deus, mas que a essa altura, já está muito claro, buscam poder na terra.

Exatamente o que o Apocalpse diz que o Anticristo faria: distorcer o cristianismo para ter poder.

Até aqui isso vinha sendo feito mirando muito mais nos adultos que votam do que nas crianças, mas vejo agora uma nova estratégia se delineando, a de corromper a sociedade à partir das crianças.

Não que isso não tenha sido feito pela sociedade de consumo e que continue sendo feito, com algumas restrições pois felizmente elas vem sendo cada vez mais defendidas do ataque da propaganda, mas porque temos mais um grupo, com mais uma estratégia e com uma penetração que pode assumir uma profundidade inédita.

Acontece justamente enquanto centenas de milhões de jovens e crianças se mobilizam na parcela mais privilegiada do planeta para protestar por ações imediatas e efetivas para deter a degradação climática e reverter o aquecimento global. E inspiradas pela mobilização de uma única criança, uma criança menina e asperger.

Recentemente eu falei no Fim da Infância e a Morte do Adulto justamente mostrando algumas razões por que as mudanças vem dos jovens, por que eles continuam “vivos” e o que podemos fazer para termos adultos vivos.

Inverta o que eu disse e temos uma fórmula para garantir que os adultos morram mais cedo e mais profundamente. Parte disso é roubar das crianças a liberdade de pensamento, a natureza questionadora, a humildade que lhes permite ver um mundo novo e fluido a cada vez que observa seu entorno.

Talvez você, pessoa que chegou até aqui, esteja assustada pensando que as crianças devem ser protegidas do mundo e que a religião é o muro que elas precisam. Eu falo nisso também no post acima, mas vamos resumir aqui: além das crianças estarem sendo expostas ao mundo queiramos ou não, essa geração precisará de uma maturidade inédita para corrigir os danos que fizemos ou não fomos capazes de impedir. Se elas precisam da nossa ajuda é para que tenham uma visão vasta da realidade e não a cegueira de uma sucessão de muros pois eles ruirão, se já não ruíram e é apenas o nosso medo que não nos permite ver, e elas terão que lidar com o que está do outro lado.

Estou tentando ser suave nas palavras, mas o mal que está sendo feito às nossas crianças ao lhes ensinar que o amor é feio se não é entre um homem e uma mulher, que a curiosidade e o questionamento são pecados, que elas são aberrações para Deus se não se enquadram na ideologia religiosa é astronômico, é cruel!

Assim como Greta Thumberg atira contra os governos globais a acusação de que mentem ao dizer que dizem se importar com as crianças temos que perceber que a tomada dos conselhos tutelares são um ataque direto a elas para que se tornem soldados de um exército de preconceitos e negação da realidade, de negação de Deus se acreditamos que o Universo foi criado por uma divindade, afinal, a realidade que essas religiões negam (a ponto de dizer que a Terra é plana) é a realidade criada pelo Deus que dizem representar… Não…

Elas não representam o Deus criador, elas representam outros deuses. Na visão de um ateu elas representam a própria ganância, na visão de uma pessoa de fé elas representam o anticristo.

Links

Imagem: Jose Gomez on Unsplash

Share This

Compartilhe!

Mande para suas redes sociais